Como libertar-se de seu falso-eu acadêmico?

– Princípio do cuidado –
Substitua a política de competição por uma ética do cuidado (de si mesmo e dos outros). A ciência trata de conhecimento colaborativo, e não de um massacre.

– Principio da incompletude –
Reconheça que não leu tudo e que não é capaz de debater sobre todos os temas. Aprenda a dizer: “Não sei nada sobre Derrida. Talvez um dia vou lê-lo, ou não”

– Princípio da honestidade –
Tente dizer publicamente: “Não estou investigando nada de novo neste momento, nem estou escrevendo”. Quando um colega te perguntar: “em que estás trabalhando? ”, aprenda a dizer: “não sei (se for o caso). Estou dando aulas e isso me demanda uma quantidade considerável de tempo. Não tenho nada para publicar nesse momento”.

– Princípio da ironia –
Ria criticamente das métricas e outros truques das avaliações institucionais de caráter neoliberal. Elas somente servem para reabrir dolorosamente as suas feridas narcisistas.

– Princípio do auto-preservaçao –
Evite, tanto quanto seja possível, os colegas tóxicos que nunca te perguntam quem és (ou como estás) e somente se limitam em enumerar as suas próprias realizações acadêmicas e se centram em elogiar o seu CV.

—– Se nada disso funcionar, duplique a dose e tente novamente. —–


1 thought on “Como libertar-se de seu falso-eu acadêmico?

  1. Pingback: Você vai deixar de me amar se eu não acabar a tese? (Parte 2) | Karina Kuschnir

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.